Blender no nível do Final Cut e do Premiere? Fizemos o teste extremo.

blender_rios_e_ruas01

Dando uma olhada nos posts antigos, vejo que fazia um mês que não havia atualizações no blog do Floresta. Não é para menos. No último mês, conforme havia sido mencionado, eu e a Myho estivemos cumprindo uma agenda extrema de edição de vídeo, usando o Blender. Madrugadas a fio, poucas noites de sono, revezamento na ilha de edição e no sofá da sala, chá às 4h da manhã…

Para quem está chegando agora, a história é a seguinte: editamos o Floresta no Cinelerra, e fizemos a pós no Blender. Mas ficou aquela dúvida se este último seria capaz de se comportar como software principal de edição (o que pode ser revisto neste post). Desde janeiro, nos embrenhamos em um projeto novo, do qual sairiam um documentário e um making of, ambos de cerca de 10 minutos, e usamos esses dois vídeos como base de testes. E aí, o Blender é estável o suficiente? Ele aguenta o tranco? É confiável? Pode ser expansível?

Para responder a estas perguntas, o primeiro passo foi fazer um plugin (addon) que melhorasse as funcionalidades de montagem, o que pode ser visto aqui e aqui. Atualmente, ele conta com 40 novas funções/atalhos.

O objetivo agora é pegar todo esse conhecimento e usar no making of do Floresta, o qual a Myho já está começando a editar. Nosso desafio lá será fazer o que não tivemos tempo – mais do que montar, achar uma linguagem de edição que seja reconhecível como tal. É a parte que estamos devendo ainda.

blender_rios_e_ruas02

Os números podem soar altos, mas devem parecer comuns a montadores de documentários: estávamos lidando com mais de 1.300 vídeos, além de mais de 140 arquivos de áudio. Era comum jogarmos trechos de gravações na linha do tempo para revê-los depois – portanto, era frequente trabalharmos com uma timeline de cerca de 3 horas de duração, quando não várias cenas que incluíam trechos antigos.

Na imagem acima, é possível ver algumas alterações de interface que fizemos, como informações sobre o tamanho do vídeo e de timeline com fácil vizualização (no editor), informações sobre a resolução de render e FPS do projeto (no viewer), assim como inserir tudo o que se refere a manipulações de imagem/vídeos já ao lado de onde o filme é exibido, para ficar mais fácil de manipular tudo isso. A imagem acima também mostra o momento da finalização, ajustando as cores sem ter que entrar no compositor e nos nodes do programa.

Abaixo, há uma série quadros esquema “antes/depois” mostrando como ficaram as cores. Para este filme, escolhi tons com contraste um pouco maior (no Floresta, há pouco contraste), e o ajuste de cores ficou bastante facilitado por termos agora um monitor calibrado. As fotos estão intercaladas com trechos do relatório de montagem feito para o projeto, e que são relevantes para este post – dois trechos, alheios ao assunto, estão suprimidos.

blender_rios_e_ruas03

blender_rios_e_ruas04

Relatório de montagem – Projeto Rios e Ruas – Trecho 1

Na proposta enviada para o edital Coletividea para o projeto/documentário “De viver nos rios, de viver nas ruas”, havia metas e objetivos específicos da equipe de montagem. Cabe aqui relembrá-los a avaliar os resultados relativos a cada um deles.

2. (…) opção por um edição 100% livre (com softwares livres, sob sistema operacional Linux), buscando ampliar a relação de visibilidade e força de outros paradigmas de edição profissional.

No que se refere puramente ao aspecto técnico de montagem de vídeo, editar usando o Blender (software livre) em Linux fluiu surpreendentemente bem. Obviamente, a aposta em dar uma chance ao Blender como editor profissional de vídeo se refletiu em um grande preparo da equipe de montagem – desde janeiro, início do projeto, uma série de novas funções foram desenvolvidas para desburocratizar processos existentes no programa, assim como melhorá-lo. O objetivo, sem meias palavras, era ajudar a colocá-lo lado a lado a ferramentas profissionais como o Final Cut e o Adobe Premiere.

Dada a agenda excruciante imposta aos montadores, pode-se dizer que o Blender, ajudado pelo nosso plugin ::velvet goldmine::, passou no teste com louvor, sendo capaz de fazer tanto a montagem como a finalização de cores do documentário e making of sem quaisquer sinais de instabilidade.

Existe uma cartilha de quem usa softwares livres de que os programas devem fechar várias vezes durante a produção, ou de que eles não devem funcionar de forma plena em seus objetivos – isso simplesmente não aconteceu. Não fosse o Blender ser uma ferramenta extremamente estável, sejamos francos, o filme simplesmente não haveria ficado pronto. A equipe de montagem estava preparada com um plano B para o caso de qualquer sinal amarelo ou vermelho vindo do programa – em dado momento, ficou claro que não haveria tempo para planos B ou C, assim como não havia margem de erro, por menor que fosse.

Merece ser enfatizado o seguinte ponto: tal agenda se deu por desorganização da equipe e independe de prazos fixados pelo edital, que estavam claros desde o início do projeto. Portanto, devemos simplificar e ver tudo isso apenas pelo lado bom: agora existe uma alternativa testada e aprovada em condições reais extremas de temperatura e pressão para edição profissional de vídeo em software livre (FOSS). Ela é confiável o suficiente para isso, o que é uma ótima notícia.

O mesmo não se pode dizer dos programas livres de edição de áudio. Embora a agenda tenha sido basicamente a mesma para os editores de áudio – excruciante, sem margem para erros, sem possibilidades de plano B -, eles não contavam com a mesma estabilidade apresentada pelo Blender. O Ardour – principal programa para áudio em Linux – se mostrou arredio e pouco confiável. Embora a opção por ele tenha se dado ao início do projeto, a descoberta de sua instabilidade se deu a poucos dias do processo de montagem, o que evidencia certa falta de atenção na equipe.

Para o documentário, a solução foi simplesmente trocar de programa. Tanto a sonora das entrevistas como musicalização e tratamento de som foram feitas no Logic Pro, um programa proprietário. Já para o making of, demos uma segunda chance ao Ardour e o resultado foi descobrirmos que diversas partes de falas estavam fora de sincronia na versão final – fazendo com que o áudio houvesse de ser levado para o Logic, para basicamente refazer o trabalho.

blender_rios_e_ruas05

blender_rios_e_ruas06

Relatório de montagem – Projeto Rios e Ruas – Trecho 2

4. “Promover o acesso, o intercâmbio e a ampliação de documentação de tecnologias livres de produção digital para cinema (…) colocando essas documentações de modo aberto em plataforma (site) online;” (…) “Meta 3: Ampliar documentação para construção de cinema digital de qualidade profissional com ferramentas livres;”

Finalmente, a última meta/objetivo é o de tornar mais acessível o que desenvolvemos durante o projeto em termos de ferramentas livres.

O texto acima dá a entender que haverá uma farta documentação a ser feita ou publicada. Vamos seguir a lógica inversa, a de disponibilizar o que pode parecer pouca coisa – algumas centenas de linhas códigos – mas que é precisa, pontual. A publicação do plugin ::velvet goldmine::, um arquivo com poucos Kb de tamanho, resolve o problema da edição de vídeo no Blender muito mais do que centenas de páginas de publicações genéricas. Ela dá o salto que precisávamos em um workflow profissional de produção de vídeo.

Durante a edição do filme e making of, vimos que havia ainda alguns processos dentro do Blender que não pareciam bem resolvidos. Um cenário comum durante esses dias era o de que, enquanto a assistente trabalhava de dia, o montador principal aproveitava para desenvolver novas funções, para serem testadas por ambos já à noite. Algo como 7 novas funcionalidades surgiram dali.

Portanto, tanto o documentário como making of deste projeto compõem dois dos três filmes curtos que estão planejados para serem feitos usando o plugin em fase de testes – o terceiro vídeo curto, o making of de outro filme, já está gravado e pronto para editar.

Com isso, um prazo realista para a publicação do ::velvet goldmine:: é entre junho e julho de 2013. Ele será licenciado como GPL, a licença padrão de um software livre, e ficará disponível inicialmente neste endereço: https://github.com/szaszak (local onde o montador publica seus códigos; o github é um local comum de publicação de diversos códigos abertos).

A ideia de disponibilizá-lo “inicialmente” ali deve-se à noção de que o melhor lugar para ele é estar junto com os plugins oficiais do próprio Blender e, com o tempo, ser incorporado à própria distribuição do programa, vir dentro dele. Trata-se de um objetivo de prazo um pouco mais longo e que depende também do entendimento dos próprios desenvolvedores da Blender Foundation de o quanto ele é ou não relevante para todos os usuários. Ou seja, desenvolver o plugin é um primeiro passo; publicá-lo é um segundo. Há ainda um terceiro, que não é essencial, mas que facilitaria a vida de todo mundo, pois o colocaria a dois cliques de distância de qualquer usuário editor de vídeo.

blender_rios_e_ruas07

Anúncios

2 Respostas para “Blender no nível do Final Cut e do Premiere? Fizemos o teste extremo.

  1. Maravilha! Agradecido demais pelo feito e planejado! Anda mais pelo (já) publicado!
    Ficou uma pulga enorme atrás da minha orelha com isto: “O Ardour – principal programa para áudio em Linux – se mostrou arredio e pouco confiável.” Já estive algumas vezes em situações reais de temperatura e pressão dom ele e não conheci este tipo de barreira, confesso que ele tem dificuldades de interação com vídeo mas é muito estável e preciso… Valia um post mais profundo sobre o assunto.

    Mais uma vez VALEU!

    E tamos aí pra somar…
    chico simoes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s